Scroll Top

Histórias que inspiram

Vivemos uma vida frugal, tento controlar minhas finanças com muitos malabarismos

Sou filho de uma família católica e numerosa, ao todo são sete irmãos, meus pais são funcionários públicos, meu pai tinha duas fontes de renda e minha mãe, médica, depois de um tempo também passou a consultar e também ter outras fontes além do serviço público.

Era pra sermos bem abastados, mesmo com a família numerosa, mas meus pais não tinham, e acho que não têm até hoje, controle da vida financeira. Vivíamos uma vida de classe média.

Quando adolescente me propus a tomar conta das finanças da casa, meu pai me deu toda a liberdade, possuía os cartões, senhas, etc. Não creio que fui muito bem, era muito inexperiente, mas a mim serviu bastante.

Casei cedo, com 20 anos já estava fora de casa com uma esposa que ganhava muito mais que eu que, embora formado, era bolsista em um instituto de pesquisa.

Filho de peixe, peixe é. Durante o mestrado, fui chamado em um concurso de alguns que havia feito e passado, a essa altura já estava com um filho. Vejo a providência de Deus aí pois a minha esposa já havia largado o emprego para cuidar do nosso filho e eu ainda era bolsista. Providência divina.

Anos passam rápido e cá estou com 29 anos, seis filhos e ainda no mesmo emprego que, se não é o melhor do mundo, é o melhor que Deus podia me dar pois tem nos sustentado e sou muito grato a Deus por esse trabalho.

Nesse meio tempo quis enveredar por ter um negócio próprio, ano passado adquiri uma horta onde cultivo hortaliças. Infelizmente não tenho tido o tempo necessário para de me dedicar a esse negócio e pela inexperiência ainda hoje estou tendo prejuízo, o que me fez contrair alguns empréstimos.

Exatamente essa semana estou tentando vender meu carro (um Doblo) para quitar algumas dessas dívidas e esse mês decido o que faço da horta.

Resumindo é isso, vivemos uma vida frugal, tento controlar minhas finanças com muitos malabarismos, utilizando o excel e recentemente um aplicativo no celular, sempre andando no cheque-especial, consignado, pedindo emprestado de familiares às vezes, mas com a graça de Deus tenho conseguido honrar as dívidas fazendo certos sacrifícios.

Felipe Costa

Rio de Janeiro-RJ

Gostou? Compartilhe aqui!
Facebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmailFacebooktwittergoogle_plusredditpinterestlinkedintumblrmail

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.